Como formar preço sem pagar para trabalhar – Parte 2



2 – A importância do custo do capital imobilizado.

Todo profissional precisa de um equipamento mínimo. No caso do fotógrafo, máquina, lentes, flash, flanelas de limpezas, estojo para armazenar equipamento, computador para tratar e armazenar imagens. Todo este equipamento tem uma vida útil, o que é muito importante lembrar para fazer uma precificação adequada.

Mesmo que seja iniciante e tenha as naturais dificuldades para entrar no mercado, o profissional tem que levar em consideração que este equipamento vai ter que ser substituído em pouco tempo. É possível mais de um método para chegar ao valor mínimo do preço praticado. A demonstração abaixo é uma ferramente mínima para que alguns custos normalmente desconsiderados não passem em branco.

2.1 – Somar todos os valores, e relacionar à vida útil dos equipamentos (de 3 a 5 anos) para chegar a um preço mínimo que mantenha o equipamento.

A vida útil do equipamento fotográfico profissional, e dos eletrônicos em geral, vai de 3 a 5 anos. A conta é simples, apesar de um pouco comprida. Soma-se o valor efetivamente pago por todos os equipamentos, divide-se pela vida útil em anos ou em meses, e obtém-se o valor mensal para que no mínimo o equipamento seja substituído.

Exemplo: Vamos supor uma câmera qualquer, com vida útil de 3 anos, após o que tende a quebrar o obturador ou ficar obsoleta. O mesmo para o computador. (Aqui podem entrar itens variados, como veículo para transporte próprio, etc.)

  • Câmera (corpo sem lente): R$ 2.000,00
  • Lentes (conjunto): R$2.500,00
  • Flash: R$800,00
  • Computador básico para tratar imagens: R$1.200,00

Total: R$6.500,00.

Este é o valor mínimo a ser recuperado em 3 anos (ou 36 meses). Não estamos tratando aqui da subsistência do profissional.

Convertendo em meses:

R$6.500,00/36 meses = R$ 180,00 por mês

(180 reais por mês – apenas para manter o equipamento mínimo de fotografia e tratamento).

2.1.1 – Considerações.

Tendo consciência desses valores, é possível caminhar sozinho em várias circunstâncias: se a fotografia é a atividade principal, e diária, deve haver planejamento baseado em 20 dias de trabalho por mês.

Por outro lado, se é fotografia de final de semana, fazendo freelancer em casamentos, por exemplo, a base do cálculo deve ser em no máximo 8 dias por mês.

Exemplos:

a – Fotografia cotidiana: custo mínimo de R$ 180,00 distribuído em 20 dias de trabalho = 9  reais apenas para manter o equipamento. Lembrar que é ideal, se um dia não tiver trabalho, o valor de um dia terá de se compensado no outro, de preferência distribuindo nos demais trabalhos.

b – Fotografia apenas de final de semana: custo mínimo mensal de R$ 180,00 dividido no período otimista de 8 dias de trabalho (clientela todo sábado e domingo) = R$22,50 por dia, apenas para manter o equipamento.


2.1.2 – Conclusão.

Este método é mais adequado para quem não tem muito rigor no controle das contas, que é o caso das maioria das pessoas. Percebe-se que a noção dos valores permite conclusões mais precisas sobre o preço a ser praticado, e em cima deste valor ideal é que se faz modificações, incluindo noções que as pessoas tem mais facilmente, como o quanto se gasta por dia para alimentação, transporte, etc.

Exemplo:

Suponha-se um fotógrafo iniciante, com esses equipamentos de valor mais baixo, cobrindo apenas casamentos no final de semana. Como vimos, seu custo mínimo para manter o equipamento é R$ 22,50 por dia de trabalho.

Deve acrescentar a estes valores os gastos diários normais, por exemplo:

  • R$10,00 de alimentação
  • R$5,00 de transporte

Apenas com esta reflexão já se percebe o mínimo de R$50,00 por dia para mal se manter na profissão, sem enriquecer, e sem pagar os impostos obrigatórios. Porém, sabe-se que muitos profissionais praticam preços semelhantes para tentar entrar na profissão.

É claro que o início na profissão obriga a aceitar situações menos vantajosas. Porém, conclui-se que, persistindo nesta tentativa, infelizmente tais profissionais tenderão a passar fome. Esta estratégia de preços baixos deve ser aplicada o mínimo possível, portanto.

Além disso, a estratégia de preços comum a vários iniciantes deve ser modificada rapidamente, para permitir que custos como moradia sejam cobertos pela profissão.

Como estimativa final, somamos os seguintes itens, com base no valor diário, e considerando alguém que pode ter percalços como a falta de clientela em 1/3 dos dias de trabalho.

(custo de manutenção de equipamentos) + (transporte) + (alimentação) + (moradia) + (vestuário) + (publicidade) + (capacitação) + ( valor do CD com fotos)

R$22,50 + R$4,50 + R$10,00 + R$20,00 + R$2,00 + R$3,00 + R$1,00 =

=R$ 63,00.

Ou seja, se vai fazer um trabalho a se pago por fotos, e estima um mínimo de 10 fotos aceitas, poderia precificar idealmente em R$ 6,30 por foto, no mínimo, e sem considerar os impostos.

Porém, levando ao caso concreto, como há dias em que não vai haver trabalho, a estimativa deve ser realista. Se metade dos dias disponíveis não há trabalho, o preço tenderá a ser mais próximo de 13 reais por foto.

Do mesmo modo:

  • se o mercado é saturado de profissionais com a mesma competência, o preço tenderá para baixo.
  • Se for um local com poucos profissionais, o valor tenderá para cima.
  • Se a diferença entre o iniciante e os já estabelecidos for muito grande, o valor do iniciante tenderá para baixo.
  • Se o profissional faz muitos cursos, o preço tenderá para cima (e aqui recomenda-se incluir o valor estimado nos gastos com capacitação)

E assim por diante, mas sempre com base em dados concretos a respeito dos custos mínimos.

Esta é uma tentativa de fazer um guia informal e simplificado ao máximo sobre como precificar o próprio trabalho, com o mínimo de fundamentos econômicos. Na publicação seguinte tentaremos estabelecer uma maneira mais completa.


Continua…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: